Os códigos de barras são utilizados para representar uma numeração atribuída a produtos, unidades logísticas, localizações, ativos fixos e retornáveis, documentos, contêineres, cargas e serviços facilitando a captura de dados através de leitores e coletores de código de barras, propiciando a automação de processos trazendo eficiência, maior controle e confiabilidade para a empresa.

O sistema pode gerar os próprios códigos de barras internos, são códigos gerados de acordo com a regra do GS1 mas não são código autorizados. Ou seja, não podem ser informados no campo de GTIN do produto para que saia nas notas fiscais. Para gerar um código de barras interno, vá em Estoque > produtos em estoque > mais informações > gerar códigos de barras.

-> Código de barras GTIN:

O código de barras GTIN é diferente, o GTIN significa Número Global do Item Comercial. Se trata de um padrão criado e administrado pela GS1. É ele que aparece abaixo dos códigos de barras, amplamente utilizados no varejo físico para identificação de produtos. Sua forma mais comum é de 13 dígitos, podendo também ser formado por 8, 12 ou 14 dígitos. O GTIN é utilizado para recuperar informação pré-definida e abrange desde as matérias primas até produtos acabados.

Esse código precisa ser usado nas notas fiscais, ele precisa ser está reconhecido e autorizado. Para saber mais, acesse: https://www.gs1br.org/.

Para adicionar um código GTIN ja criado em um produto em estoque é só seguir o caminho:
Estoque > produtos em estoque > alterar > mais informações > e adicionar o código no campo corretamente.

O código de barras serve para localizar produtos em seu estoque através de um leitor, ou seja, quando você coloca o código de barras interno ou GTIN dentro do cadastro do produto no estoque. Depois, por exemplo, você vai na aba de estoque e no campo de código, se você passar o leitor, o sistema localiza o produto. O mesmo funciona ao adicionar um produto no pedido de venda, por exemplo.

Encontrou sua resposta?